Home / Cultura / Vendedores de vinil e VHS investem em raridades e digitalizam o acervo

Vendedores de vinil e VHS investem em raridades e digitalizam o acervo

por Renan Marra | Folhapress

Vendedores de vinil e VHS investem em raridades e digitalizam o acervo

Foto: Divulgação

Na era do streaming, em que músicas e filmes estão disponíveis sob demanda no computador, lojas que alugam fitas de videocassete ou que vendem discos de vinil têm de renovar seus catálogos e serviços para sobreviver.

As vendas de mídias físicas no mercado fonográfico brasileiro caíram 56% em 2017 em relação a 2016, de acordo com o relatório mais recente da Pro-Música Brasil, divulgado no ano passado. O setor movimentou R$ 50,4 milhões.

As plataformas de streaming, por sua vez, cresceram 64% no mesmo período.

Para contornar a crise, empreendimentos que ainda operam com discos e fitas digitalizam seus produtos, investem em vendas pela internet e aumentam a diversidade do acervo.

Localizada no centro de São Paulo, a loja Baratos Afins, por exemplo, era voltada para o público roqueiro. Hoje, pode-se encontrar no espaço, fundado em 1978, 110 mil LPs e 35 mil CDs dos mais diversos gêneros —pop, MPB, clássico, blues, jazz, tango, além, claro, do rock, que continua sendo o carro-chefe.

Ainda assim, o faturamento mensal, que chegou a superar os R$ 100 mil, hoje gira em torno de R$ 65 mil.

“As pessoas ficaram solitárias e andam sempre com fones de ouvido. Não existe mais aquela cultura de ouvir um disco junto e discutir um arranjo ou uma capa”, diz o proprietário, Luiz Calanca.

Para complementar a renda, ele digitalizou parte do seu acervo e disponibilizou o conteúdo em plataformas digitais. Em cada clique no seu material, Calanca ganha alguns centavos. O valor acumulado no fim do mês “ajuda, mas não empolga”, diz.

Na década de 1980, quando os CDs surgiram, ele chegou a ter 84 concorrentes, conta. Hoje são apenas 15. Um deles é Ademir Manzato, dono da Pop’s Discos, localizada no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo.

Para tentar reverter a queda nas vendas, Manzato criou um site há seis anos, no qual registrou parte dos 12 mil CDs. Hoje, metade das compras é feita online.

Ele comercializa de 70 a 80 CDs por dia, a metade do que era vendido no início dos anos 2000. Seus clientes costumam ter 30 anos ou mais.

Lojas que trabalham com mídias físicas também investem em produtos raros e edições de colecionador, que acompanham encartes com informações extras, fotos de artistas e ilustrações.

A loja Eric Discos, também em Pinheiros, vende álbuns antigos e usados e reúne raridades. Parte do acervo foi acumulada com trocas.

“Às vezes as pessoas oferecem discos e você pensa que só tem porcaria, mas encontra um Ramones lá no meio. O negócio já vale a pena”, afirma o gerente, Cristóvão de Souza.

Entre os achados há o disco “Alucinolândia” (1969), do compositor Zito Righi, que custa R$ 1.000. Já os discos do baterista Edison Machado chegam a R$ 1.300. Segundo Souza, essas obras são difíceis de serem encontradas.

Sobrevivem também em São Paulo as antigas locadoras de filmes. No edifício Copan, no centro, a Video Connection disponibiliza aproximadamente 15 mil títulos em VHS e DVD. A loja é visitada por pessoas de todas as partes da capital paulista.

Segundo o proprietário, Paulo Pereira, é grande a procura por filmes que não estão nas plataformas de streaming, principalmente dos diretores Bernardo Bertolucci e Francis Ford Coppola.

Para os clientes que não têm videocassete, Pereira converte os filmes para DVD. Se o cliente também não tem aparelho DVD, ele coloca o filme em um pendrive. O serviço custa R$ 25. A locação custa R$ 9.

Ainda assim, a clientela de Pereira tem caído. Em 2006 ele tinha cinco funcionários e hoje comanda o negócio sozinho. O faturamento médio é de R$ 8.000 por mês.

“Muitos clientes pedem ajuda para escolher os filmes e a gente debate as obras”, diz Pereira sobre a vantagem da loja física em relação aos serviços de streaming. “Indico para todos o filme japonês ‘A Partida’ [2008, de Yojiro Takita]”.

Para aumentar a atratividade do negócio, os lojistas devem estimular experiências, como promover encontros para ouvir música ou sessão coletiva de filmes, segundo o consultor do centro de economia criativa do Sebrae-SP José Carlos Aronchi.

Sobre Padrão do site

Um site que leva até você tudo sobre o que acontece em Salvador, na Bahia, no Brasil e no mundo. Com fatos Policiais, Culturais, Esportivos, Entretenimentos e muito mais para que você possa ficar bem informado.

Veja Também

Maria Gadú anuncia pausa na carreira: ‘quero fazer outras coisas’

Maria Gadú anuncia pausa na carreira: ‘quero fazer outras coisas’Foto: Divulgação Em entrevista à rede ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.