Home / Cultura / Mapa do Racismo completa 1 ano de combate a crime e fortalece rede de apoio

Mapa do Racismo completa 1 ano de combate a crime e fortalece rede de apoio

Mapa do Racismo completa 1 ano de combate a crime e fortalece rede de apoioFoto: Divulgação / MP-BA
Uma das metas do Estatuto da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa da Bahia é fortalecer uma rede de enfrentamento contra o racismo. Foi a partir desse propósito que, no dia 19 de novembro de 2018, o Ministério Público baiano lançou o “Mapa do Racismo”, um aplicativo que recolhe denúncias e as envia para o órgão judicial.

Por Ailma Teixeira

Um ano depois, às vésperas do Dia da Consciência Negra, o Bahia Notícias procurou o MP-BA para checar o número de casos registrados. O resultado mostra que, só neste ano, o app registrou 181 denúncias, tendo 128 delas gerado encaminhamentos para a Promotoria de Combate ao Racismo e Intolerância Religiosa. Os altos índices, segundo a promotora Lívia Vaz, são explicados por dois fatores: o primeiro é justamente a consolidação dessa rede de combate que aproxima a população dos canais de denúncia e o segundo é o aumento das manifestações de ódio.

“Isso ocorre principalmente nas redes sociais. As pessoas estão mais à vontade pra manifestar ódio religioso, ódio racial, misoginia, lgbtfobia, todas as formas de discriminação com as ditas minorias, que na verdade a gente chama de grupos vulnerabilizados. Isso tem aparecido com frequência. Então, esses dois elementos trazem um número muito significativo no número de registros”, explica a promotora em entrevista ao BN.

De acordo com o relatório, em 2019, foram registrados 54 casos de racismo, 24 de injúria racial e 50 de intolerância religiosa. Como o aplicativo usa um sistema de georreferenciamento, é possível ver que a capital engloba a maioria das denúncias e que, nos dois primeiros crimes, a maior incidência está na região do Centro. No quesito intolerância religiosa, o maior número de denúncias se refere a atos realizados no bairro de Cajazeiras.

Para Lívia, no último caso, isso tem relação com a concentração de terreiros nesses espaços, uma vez que as religiões de matriz africana representam 90% dos casos de intolerância.

“Isso a gente já sabia pela prática, pelo conhecimento do fenômeno do racismo religioso, mas ter isso em dados é importante pra que a gente atue preventivamente e no combate. Esse aplicativo também tem essa função de orientar a atuação do Ministério Público e orientar políticas públicas porque se você percebe que há uma concentração de casos em determinado município, você pode atuar em articulação com o poder público local, com medidas preventivas e repressivas”, destaca.

Diante desse cenário, uma das melhorias que o mapa já proporcionou foi o progresso no trabalho das polícias. A Militar, de acordo com Lívia, hoje está mais preparada para atender demandas do tipo. “Você chama uma viatura, um policial, um preposto da Polícia Militar e você consegue uma atuação já mais eficiente no que diz respeito ao que fazer e como proceder em casos de racismo”, avalia.

Já a Civil tem uma novidade. De acordo com a promotora, a corporação “está providenciando um atendimento especializado”. Ou seja, a criação de uma delegacia especializada para crimes de racismo. O BN procurou a assessoria da corporação para ouvir mais detalhes sobre a nova unidade, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Sobre Padrão do site

Um site que leva até você tudo sobre o que acontece em Salvador, na Bahia, no Brasil e no mundo. Com fatos Policiais, Culturais, Esportivos, Entretenimentos e muito mais para que você possa ficar bem informado.

Veja Também

Após lei de abuso de autoridade polícias param de divulgar nomes e fotos de suspeitos na Bahia

10/01/20 As Polícias Civil e Militar da Bahia estão orientadas a não mais divulgar os ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.